Airlines, Aviação Comercial, Destaque, Indústria

Serão necessários cerca de 35.000 aviões nos próximos 20 anos, avaliados em 5,3 trilhões de dólares


A frota mundial de aviões de passageiros de mais de 100 assentos vai mais que dobrar nos próximos 20 anos, até superar as 40.000 unidades. E o tráfego vai ter um crescimento anual de 4,4%, segundo a última previsão global de mercado da Airbus para o período 2017-2036. Tudo isto vai gerar uma demanda por mais 530.000 pilotos e 550.000 técnicos, ante o crescimento previsto dos serviços.

Durante esse período, o maior número de passageiros “de primeira viagem”, o aumento da renda disponível para viagens aéreas, o crescimento do turismo, a liberalização da indústria, novas rotas e a evolução dos modelos de negócio das companhias aéreas vão gerar a necessidade de 34.170 aviões de passageiros e 730 cargueiros, pelo valor total de 5,3 trilhões de dólares. Mais de 70% das novas aeronaves serão de corredor único, das quais 60% serão para cobrir o crescimento e 40% para substituírem os aviões menos eficientes no consumo.

Com a duplicação da frota comercial nos próximos 20 anos, serão necessários 530.000 novos pilotos e 550.000 novos engenheiros de manutenção. Tal realidade será um catalisador para o crescimento da atividade de serviços globais da Airbus, que ampliou a sua rede mundial de formação de cinco para 16 locais em apenas três anos.

O crescimento do tráfego aéreo é maior nos mercados emergentes, como China, Índia, América Latina e o resto da Ásia. Mas faz quase duplicar a taxa de crescimento anual de 3,2% previsto para os mercados consolidados, como América do Norte e Europa ocidental. Os mercados emergentes, que englobam 6,4 bilhões dos 7,4 bilhões de pessoas que constituem a população mundial atual, serão responsáveis por quase 50% do consumo privado mundial até 2036.