Aeroportos, Destaque

Câncer de mama é tema de palestra no Aeroporto de Manaus

Todos os anos várias mulheres são diagnosticas com câncer de mama, uma doença com grande percentual de cura se descoberta precocemente. A necessidade da realização de exames rotineiros que identifiquem a doença, os sintomas e as diferentes formas de tratamentos serão tema de palestra no Aeroporto Internacional de Manaus/ Eduardo Gomes.

Aberta à comunidade, o bate-papo intitulado “Câncer de Mama: a visão da radioterapia”, acontecerá na sexta-feira, (20/10) às 14h, no Auditório do terminal. Na ocasião serão distribuídos brindes, e panfletos com informações sobre o tema. A ação é uma parceria da Infraero com a Clínica Médica Manaus e a Secretaria Municipal de Saúde.

Ainda em apoio a causa a fachada do aeroporto e o saguão de desembarque estarão iluminados de rosa até o fim do mês. Também estão sendo distribuídos para os passageiros, usuários e empregados do Aeroporto o laço rosa, símbolo da campanha.

De acordo com o Superintendente do Aeroporto, Abibe Ferreira Júnior, a mobilização em torno do Outubro Rosa promove uma troca de informações sobre a doença, ao mesmo tempo que trata da saúde e do bem-estar da mulher. “A realização de campanhas de conscientização é essencial para o controle do câncer de mama. O diálogo com a sociedade nos traz a oportunidade de discutir formas de prevenção, diagnóstico e cura da doença”, defende o superintendente.

“Sabemos que o câncer de mama atinge muitas mulheres no Brasil e no mundo, e que o diagnóstico precoce pode salvar muitas vidas. É nosso dever como cidadão divulgar todas as formas de prevenção e cuidado”, acrescentou Abibe.

Outubro Rosa
A campanha Outubro Rosa, realizada em todo mundo desde a década de 90, tem como objetivo conscientizar a sociedade sobre a doença e a necessidade da realização do diagnóstico precoce.

Segundo a cartilha de informação do INCA<http://www1.inca.gov.br/wcm/outubro-rosa/2014/imagens/material/cartilha-outubro-rosa2014.pdf>, o câncer de mama é uma doença resultante da multiplicação de células anormais da mama, que forma um tumor com potencial de invadir outros órgãos.

Dentre alguns dos fatores que podem causar a doença estão: obesidade, sedentarismo, não ter tido filhos, primeira gravidez após os 30 anos, histórico familiar e ter feito tratamento de reposição hormonal. O INCA alerta que a presença de um ou mais destes fatores de risco não garante necessariamente que a pessoa terá a doença.